Número total de visualizações de página

sábado, 12 de março de 2011

O Convento de Sá e o Quartel de Sá

1880 - Panorama de cima da capela do Senhor das Barrocas. Ao fundo, com uma seta, é assinalado o Convento de Sá, destruído por um incêndio em 1882 (Foto do catálogo da exposição de António Graça realizada em Outubro de 1984. Edição da CMA)


O Quartel de Sá (na altura, de Cavalaria 10) em princípios do séc. XX, vendo-se o fontanário que aí existia

Render da guarda na porta de armas (1947)

Rua de Sá: pelotão a marchar para o quartel (1953)

Prova do rancho, no quartel de Sá (1948)




Fotografias aéreas do Quartel de Sá (sem data)



Notas à margem


* No local onde se encontra, ainda hoje, o Quartel de Sá, existiu, até meados da década de 1880, um convento, vulgarmente conhecido como Convento de Sá.


* Tratava-se do convento da Madre de Deus, de religiosas franciscanas, criado em 1644. Segundo Marques Gomes ("Memórias de Aveiro"), as primeiras religiosas, vindas do Convento de Nossa Senhora do Loreto, da vila de Almeida, chegaram a Aveiro a 22 de Junho de 1644, tendo ficado hospedadas no palácio de D. Beatriz de Lara e Menezes, certamente por o convento não estar ainda totalmente concluído. Ainda segundo Marques Gomes, e também Rangel de Quadros ("Aveiro - Apontamentos Históricos"), só a 2 de Agosto do mesmo ano as religiosas entraram solenemente no Convento da Madre de Deus, em Sá.


* Em 1882, na noite de 11 para 12 de Janeiro, uma grande parte do convento foi destruída por um incêndio (Rangel de Quadros, obra citada).


* Refira-se, como curiosidade relacionada com este incêndio, que, segundo se pode ler no site dos Bombeiros "Velhos", esta corporação nasceu na sequência do referido incêndio, que alarmou a cidade e "que fez com que o presidente da Câmara, Manuel Firmino, constituisse aquela que viria a ser a primeira corporação de bombeiros do município e que esteve na génese da actual Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Aveiro, mais conhecidos por Bombeiros Velhos." Segundo o mesmo site, a designação "Bombeiros Velhos" ficou a dever-se ao facto de, em 1900, se ter verificado uma cisão entre os bombeiros, tendo passado a existir, desde então, duas corporações: uma era a nova, a outra, a que vinha da origem, a velha.

* Em fins de 1884, o edifício do Convento da Madre de Deus, com a cerca anexa, foi cedido à Câmara Municipal de Aveiro, para aí se construir um quartel militar (Rangel de Quadros, obra citada). Recorde-se que, por decreto governamental de Maio de 1834, da responsabilidade do então ministro da justiça, Joaquim António de Aguiar (o "Mata Frades") foram extintas, com efeitos imediatos, todas as ordens religiosas masculinas, não podendo as femininas admitir novos membros, até à sua extinção por morte da última religiosa. É curioso que, no caso do Convento da Madre de Deus, a extinção (por despacho de 7 de Fevereiro de 1885, do então ministro da justiça) é anterior à morte da última religiosa, Madre Ana Benedita de S. Miguel, que deixou o convento a 17 de Março desse ano, sendo-lhe atribuída uma pensão mensal de 50.000 réis (Rangel de Quadros, obra citada). Segundo este mesmo autor, a referida religiosa, acompanhada por duas senhoras recolhidas no convento, partiu, "em carros faldados e puxados por bois", para Fermelã, onde ficou a viver até à sua morte, em 1889.


* Logo no ano de 1885, dá-se início à construção do quartel, que só viria a ficar concluído em 1888. Todavia, segundo Marques Gomes ("Subsídios para a História de Aveiro"), o Regimento de Cavalaria 10 chegou a Aveiro, de comboio, logo em Janeiro de 1885, ficando "provisoriamente instalado no edifício do extinto Convento de Santo António, por não estar ainda o quartel de Sá em condições de o alojar". Só em 8 de Setembro de 1888 (segundo o periódico "O Povo de Aveiro") é que o Regimento de Cavalaria 10 mudou para o quartel de Sá.


* Segundo Manuel Ferreira Rodrigues ("A Construção Civil em Aveiro, 1860 - 1930"), na "construção do Quartel de Cavalaria 10, em 1885, a par do granito e do grés duro de Eirol, foi também utilizado xisto de Canelas. O granito utilizado na construção do quartel veio da região de Albergaria-a-Velha."